Quer fazer? Faça.

Em janeiro, eu havia recém mudado para São Paulo, largado empregos e me jogado em uma jornada em busca do que faz sentido para mim. A grande pergunta era: o que eu quero da vida?

A pergunta é simples, mas a resposta nem tanto. Depois de muitos livros dizendo que a vida não tem sentido, é fácil acreditar que nada que fazemos pode ter algum significado. Mas eu sabia que isso estava errado, então juntei a vida na mochila e comecei a caminhar.

Quero escrever, eu disse a mim mesmo.

Minha resposta foi a mesma que motivou a criação deste site: contar histórias (por escrito). Para isso, arquitetei um plano que envolvia conhecer outros escritores e fazer cursos diversos para aprender a técnica. Também divulguei meus planos, porque o tempo inteiro faço afirmações sobre como a vida seguirá. Esses meus passos planejados renderam alguns frutos, mas agora me vejo retornando ao que uma amiga me disse já no início do ano:

– Então escreva um livro.

A resposta dela, traduzida para qualquer coisa, é: quer fazer, faça. Não existe segredo ou magia que nos leve aos nossos objetivos além de fazer. Vida é movimento, e ação movimenta.

Fazendo, comecei a entender o que eu quero escrever, o que não me anima nos textos e, principalmente, em que eu acredito. Foi fazendo, e não apenas planejando, que publiquei contos para serem acessados abertamente (aqui, aqui e aqui), passei a pedir contribuições espontâneas para manter minha vida de artista (aqui) e comecei meu projeto mais ambicioso: o Ninho de Escritores (aqui).

Não faço ideia para onde esta jornada está me levando, mas está tudo bem, pois estou em movimento e consciente das minhas ações.

Para encerrar o texto, duas coisas. Um, a partir de agora minhas reflexões sobre a arte da escrita estarão concentradas na newsletter do Ninho de Escritores, para a qual é possível se cadastrar lá pelo site do Ninho, na página inicial. A newsletter é enviada toda segunda-feira. Dois, tem uma música do Lenine que é ótima para os momentos em que a vida está paradinha. Chama Do It, e quero fechar o texto com ela porque ela é inspiradora.

Obrigado!

2 comentários em “Quer fazer? Faça.

  1. Escrever é uma jornada difícil. Mas por prazer, seguimos em frente. Tenho um vizinho que comprou três carros só vendendo drogas. Outro que paga o aluguel do apartamento dele traficando poppers (que é uma droga não considerada ilícita). Outro, que gosta de escrever, mas prefere ganhar fortunas como gerente de TI. Cada um segue seu rumo. O que os escritores precisam fazer, no meu ver, é parar de sonhar tanto e arregaçar as mangas. No livro Escrevendo com a Alma, a autora disse que montou uma barraquinha de poemas em uma feira e cobrava cinquenta centavos por cada poema escrito na hora. Fez muito sucesso. Acho que é bem por aí. Arregaçar as mangas e fazer por onde. Uma escritora, amiga minha, disse que iria na praia gay e iria oferecer seu livro para cada gay de Ipanema, pois o livro dela é gay. Achei estranho. Eu não me vejo fazendo isso. Mas, talvez, sejam as opções mais verdadeiras do nosso universo (colocar o livro debaixo do braço e sair à luta)! 🙂

    • Escrever é mesmo uma jornada difícil. Tenho sofrido um bocado com ela, mas descoberto a cada etapa que há prazeres que pagam, ou no mínimo equilibram, os sofrimentos. Cada vez mais me vejo como tua amiga, e acho até que seguirei os passos dela. 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *