Técnica mal utilizada prejudica o processo

Semestre passado, me convenci que o romance que eu estava escrevendo era ruim. A coisa toda aconteceu ali por junho, quando precisei apresentar um resumo da história na oficina de escrita criativa da qual participo. Eu estava tão convencido de que a minha história estava ruim que fui lá e modifiquei minha proposta, levando para a avaliação dos colegas uma história diferente da que eu vinha escrevendo.

Antes de mais nada, permita-me esclarecer: a história era ruim mesmo. Não haverá nenhuma grande revelação sobre como sou, na verdade, um gênio incompreendido que reencontrou o caminho para a sua arte perdida.

Mas talvez eu tenha reencontrado um caminho.

Desde o meio de 2013, mas com mais fôlego desde novembro, estou escrevendo um romance chamado Terapia Alternativa. Publiquei um conto que é um capítulo dele, que, por sua vez, é a continuação de um conto publicado no Loveless. A história é a seguinte: um cara que só se ferra na vida descobre um grande amor e tudo melhora, até que ele se vê obrigado a lidar com ciúmes e com um término imprevisto.

Já quase no fim da escrita, concluí que estava uma droga. Depois de mostrar o resumo da história aos meus colegas da oficina (e haver incluído um personagem que não existia antes, mas que acabou roubando o protagonismo da narrativa para si), ficou muito claro que essa história jamais poderia sair do meu computador e da minha cabeça.

Ontem, enquanto tentava escrever e encontrava dificuldades para fazer um conto crescer em uma história maior – mesmo que o danado pedisse mais do que quatro páginas para se contar –, percebi algo. É engraçado perceber isso pela experiência, pois, se qualquer amigo me perguntasse a respeito, eu diria sem nem pestanejar: técnica demais pode atrapalhar a escrita. Ou, talvez colocado de uma forma mais de acordo com o que acredito, técnica mal utilizada prejudica o processo.

Sim, personagem tem que querer algo, tem que ter valores conflitantes, objetivos claros e ambições profundas intermeadas com questões internas obscuras e ainda por serem resolvidas. Isso é básico. Contudo, colocado em uma fórmula, isso vinha me roubando a percepção do que a minha história poderia se tornar. Amarrado na técnica, eu sequei a minha criatividade.

mickey-fantasia

O que me ajudou a perceber isso foi meu diário de escrita. Anotei nele:

Achei que poderia tornar um conto em uma história maior, mas sinto como se fosse um esforço para o qual ainda não estou preparado. Ou não era a ideia/história certa. Em dias assim, sinto como se eu não fosse “escritor o bastante”. É uma sensação bem ruim. Write what you know (emotionally), diz o Wired for Story. O que eu conheço bem assim, além de O Bufo? [Uma hora depois:] será que a culpa é minha, ou das receitas sobre como escrever? Talvez eu esteja apenas intoxicado.

Quando plantei a semente da dúvida, uma resposta germinou: o problema não sou eu, mas o jeito como estou me aproximando da escrita. Permiti que várias coisas se colocassem em meu caminho criativo, incluindo meus livros de técnica e as opiniões de outras pessoas. Sinto-me como um aprendiz de feiticeiro que, ávido por aprender, acabou lançando um feitiço errado e se queimando.

Bora lá de volta para o calderão!

6 comentários em “Técnica mal utilizada prejudica o processo

  1. Gostei de ter lido isso, serve muito para mim. Pensar demais nas técnicas e querer fazer estruturar demais me atrapalha muitas vezes. Ler o que você disse me fez perceber isso com mais clareza.

    • Isabela, fico feliz que o texto tenha servido para ti. Se tu descobrir a fórmula para temperar a preocupação com a técnica e a espontaneidade da criação, por favor compartilha comigo! :)

  2. Realmente, não se pode levar pelas técnicas, mas é sempre bom usar uma medida dela para não atrapalhar o processo da escrita. Isso é querer planejar, e no processo querer mudar o foco, não é assim.

    • Tem razão, Rogério, uma dose de técnica é desejável. Na verdade, eu acho que devemos aprender tanta técnica quanto for possível, mas com o devido cuidado para que elas não se tornem problemas à nossa frente, bloqueando nossa criatividade. :p

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *