Para escrever e empreender é preciso ter clareza

Neste domingo aconteceu a primeira edição do Ninho de Escritores: Expresso São Paulo, uma versão compacta do curso regular do Ninho de Escritores. Entre os muitos temas que foram abordados, tratamos da pirâmide da revisão, um esquema que criei para mostrar como penso o processo de revisão para quem deseja escrever ficção (já escrevi sobre revisão aqui e aqui).

Pirâmide da revisão Tales Gubes Ninho de Escritores

A pirâmide foi criada com base na Pirâmide de Maslow, uma abordagem psicológica sobre as necessidades humanas. Procurei elencar o que seria mais importante observar primeiro em um texto, estabelecendo uma sequência de cuidados do mais básico ao mais elevado.

Neste texto, trato apenas da clareza, que está na base da pirâmide por ser a qualidade mais importante para um texto (seja ele de ficção ou não). E, como o título sugere, a clareza é fundamental não só para quem escreve, mas também para quem empreende. Para explicar isso, preciso contar uma pequena história.

O Ninho de Escritores foi criado para ser um contraponto aos cursos focados apenas na técnica, buscando uma abordagem direcionada a acompanhar os escritores em seus processos pessoais como sujeitos criativos. O Ninho já foi definido como “auto-ajuda para escritores”, e o engraçadinho que soltou esse comentário estava um bocado certo com relação às intenções do projeto.

Recentemente, lancei o projeto dos Expressos, cursos com muito conteúdo condensado em pouco tempo, pequenas bombas de informação, ferramentas, técnicas e exercícios. Domingo rolou o Expresso São Paulo, com 17 participantes, e gostei bastante do resultado. No próximo sábado será o Expresso Rio de Janeiro e dia 28 farei o Expresso Porto Alegre. Minha ideia é levar os Expressos para todas as cidades em que possam haver interessados; então se quiser um Expresso onde tu mora, entra em contato comigo pra gente fazer acontecer.

Tales Gubes Ninho de Escritores Expresso São Paulo

Estou organizando as inscrições dos Expressos no Cinese, uma plataforma que facilita encontros entre quem tem algo a ensinar e quem deseja aprender. Para lançar o Expresso por lá, porém, eu precisei ser bastante claro com relação ao que estava oferecendo, o que seria aprendido, quanto tempo o evento dura, quanto custa etc.

Enquanto isso, o curso regular do Ninho de Escritores, que existe desde agosto de 2014, mal consegue manter dez pessoas participando por mês.

Até o Expresso São Paulo, eu havia falhado em perceber: se vale para a escrita, também vale para a vida e para o empreendedorismo. E a pirâmide está ali para me dizer: a proposta deve ser clara para os leitores (e possíveis futuros participantes do projeto).

Foi com a Marie Forleo que comecei a pensar sobre a importância do como mostramos o que temos a dizer (para além da literatura). Ela sugere que não importa o que a gente sabe ou vende, mas sim como nós posicionamos e apresentamos nossos produtos ou serviços. Concordo com ela ainda mais depois de presenciar o sucesso que foi o Expresso São Paulo e a dificuldade que o curso regular do Ninho de Escritores enfrenta para encontrar participantes.

Como alcançar clareza (no texto e na vida)?

Sempre digo que para escrever bem é preciso escrever com intenção. Afinal, só podemos avaliar se alguma coisa está sendo boa ou ruim quando temos critérios claros de avaliação. No caso do texto, isso tem a ver com a emoção que desejamos produzir no leitor ou com o tipo de informação que queremos transmitir. Na vida e no empreendedorismo, também.

Quando não conseguimos mostrar com clareza algo que estamos produzindo ou vivendo, é sinal de que nos falta um exercício de definição dos limites. Ouvi isso pela primeira vez no mestrado: ao observar minha confusão com meu tema de pesquisa, um professor e amigo sugeriu que eu começasse a escrever sobre o que meu trabalho não era. Desta maneira, depois de algum tempo escrevendo sobre tudo o que não estava fazendo, eventualmente chegaria ao que de fato estava interessado em fazer.

Porém, não basta saber o que não somos e o que não queremos fazer. Esse é apenas um primeiro passo. Afinal, o O quê? é a mais superficial das questões, embora seja parte fundamental da clareza.

Círculo dourado Tales Gubes Ninho de Escritores

No vídeo How great leaders inspire action, Simon Sinek fala sobre o círculo dourado. No vídeo, ele trata sobre como líderes inspiram ação, e seu argumento é que os líderes têm um por quê? muito claro, sendo a primeira coisa a ser apresentada para os seus seguidores. Em seguida, o como? determinado produto, serviço ou ação funciona, ajuda e “cria valor”, para só então chegarmos ao o quê? que dá forma ao produto, serviço ou ação.

O mesmo vale para a escrita. Apresentar um personagem, por exemplo, passa primeiro pelo por quê? de suas ações, e só depois pelo como? ou pelo o quê?. Um texto que falhe em apresentar os porquês será um texto que carecerá de clareza e, por tabela, não conseguirá gerar empatia entre os leitores e o personagem. O que nos une é o porquê, é a motivação por trás das ações.

Na divulgação do Ninho de Escritores, cometi um equívoco. Eu tinha o porquê e o como, mas não o quê. 

Para sermos claros precisamos dos três elementos do círculo dourado. Esse é o ponto em que errei na divulgação do curso regular do Ninho de Escritores (e em algumas histórias que escrevi, também). O projeto do Ninho está muito claro quanto ao porquê (escritores precisam ser acolhidos para desenvolver confiança e habilidade para criar) e ao como (encontros semanais com muitos exercícios e trocas de experiências), mas a forma que o Ninho assume ainda soa confusa para quem o encontra pelas primeiras vezes (é um curso? É um grupo de amigos? É uma roda de crítica? Posso ir e vir? Precisa pagar?).

Como costuma acontecer com as mensagens que não estão claras, isso foi fruto da ideia original não estar clara. Eu não sabia direito o que era o Ninho de Escritores e, portanto, só conseguia mostrar o porquê e o como.

Não há problema algum em rever nossas ideias e nossas criações. Só é possível ter clareza de algo que já existe, e quando só temos ideias elas ainda não existem. Por isso revisar é importante, porque trabalhamos em algo material, temporariamente finalizado. Por isso dar o primeiro passo é importante, porque só com a experiência vivida é que poderemos avaliar se temos clareza do que estamos fazendo. E por isso colocar no mundo é fundamental, porque somente em contato com outras pessoas é que poderemos avaliar se há clareza no que estamos fazendo.


Obrigado por ler este texto.

Faço um convite: se tu mora no Rio de Janeiro, te inscreve no Expresso Rio de Janeiro para estarmos mais próximos e trocarmos ideias de pertinho. Se tu mora em Porto Alegre, também podemos nos encontrar em breve. Se tu mora em outra cidade, fala comigo e vamos organizar um encontro do Ninho por aí!

3 comentários em “Para escrever e empreender é preciso ter clareza

  1. Pingback: Negócios para reinventar o mundo - Tales Gubes

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *