Comer, escrever, encontrar

Escrever e cozinhar têm muitas afinidades: precisamos encontrar as palavras e os temperos certos, combinar os ritmos e os tempos de cozimento, organizar a formatação do texto e a disposição dos pratos.

O mesmo vale para ler e comer, que envolvem absorver conceitos e sabores para transformá-los em pensamentos, emoções e nutrientes. Lendo, conhecemos melhor o mundo e os múltiplos modos de existir. Comendo, degustamos o carinho e o tempo investido no preparo de cada refeição.

Escrever e cozinhar e ler e comer têm ainda um aspecto em comum: são todos amarrados pelo encontro, pela singela disposição em se fazer presente na vida de outra pessoa. Quando escrevo, dedico meu tempo a construir uma ficção em comum com alguém que sequer verei, mas que, ao ler, estará dedicando uma fração de sua vida a mim e às minhas histórias. Quando cozinho, faço-o para alimentar e dar força a quem gosto; e, quando como, compreendo que existe, na alimentação, o apreço único de se saber bem recebido e cuidado.

logo mãe tô com fome

Segunda-feira, reuni-me com namorado e amigos para cozinhar. Compramos um kit do Mãe, tô com fome! para fazermos petit gateau e embalamos um jantar que girou em torno de trocas de experiências, risadas e carinhos.

A parte de comer foi muito boa, nenhuma dúvida quanto a isso. A própria criadora do Mãe, tô com fome! preparou a comida (massa com brócolis e alho, salada de couve com croutons e manga, além de abóbora recheada com cream cheese e queijo gorgonzola), resultando em um verdadeiro banquete. Quando sentamos à mesa, havia tantas cores e sabores esperando por nossos paladares que eu mal sabia por onde começar.

Isso, claro, sem nem considerar o espumante. Ou os vídeos do Youtube que ficamos assistindo. Ou as histórias contadas entre nós.

Entretanto, não foi apenas o comer que me encantou. Tomei a frente na preparação do petit gateau, seguindo as instruções do kit. Um prato de dificuldade média, segundo a folha de guia. Mas eu senti como se fosse muito mais difícil. Sabe por quê?

Porque durante todo o processo eu estava com medo de errar e estragar a sobremesa de todos. A preocupação com os detalhes tomou o lugar da diversão. A necessidade de fazer certo ficou maior do que a de aproveitar a experiência.

Com a escrita, acontece a mesma coisa.

O prazer de brincar com as palavras pode ser nublado pelo excesso de guias, técnicas, jeitos certos e jeitos errados de se fazer.

Se isso acontece com o cozinhar, será que não acontece também com o ler e o comer?

Na escola, perdi o tesão por muitas das leituras porque tinha professores insistindo que livros como Iracema eram necessários para a minha formação como pessoa. Numa certa aula da especialização, um professor insistia que só havia um jeito de interpretar um poema. Na vida, as pessoas insistem em reforçar a maneira certa de fazermos as coisas.

E comer?

O tempo para comer é um luxo. Vivemos com pressa e fazemos as refeições de forma burocrática, sem apreço pelos sabores ou texturas daquilo que consumimos. A fome não é aproveitada, mas sim afogada com refrigerantes açucarados e fast foods acelerados.

O mesmo vale para os encontros. Quando achamos tempo para cultivar nossas relações com as pessoas significativas em nossas vidas? Quantas conversas profundas mantemos por dia, para além do “bom dia, tudo bem?” e das brincadeirinhas cotidianas que sugerem intimidades que não existem?

Com isso em mente, criei o Escrita Gourmet, um projeto voltado para o encontro em torno da refeição. Um encontro em que o tempo para saborear e refletir sobre o que se come é essencial, estabelecendo uma relação mais profunda com os nossos sentidos e abrindo as portas para um diálogo atento e interessado.

Escrita Gourmet

Assim como quando comecei o Ninho de Escritores, não sei o que será da Escrita Gourmet. Sei o que pretendo, quais serão os procedimentos propostos, mas não sei como as pessoas reagirão a eles.

Porque, entre comer e escrever, a parte mais importante é encontrar. O que nascerá disso, somente o encontro poderá revelar.

A primeira edição da Escrita Gourmet acontecerá na próxima segunda-feira, dia 13 de outubro, às 19h30, na Laboriosa, Vila Madalena, São Paulo. Para se inscrever, basta clicar aqui e preencher o formulário. Para mais informações, acesse a página do evento no Facebook (aqui).

5 comentários em “Comer, escrever, encontrar

    • Obrigado, Ben :)
      Eu tenho escrito menos aqui no site para dedicar mais tempo a outros projetos, o que tem compensado, como o Escrita Gourmet e o Ninho de Escritores podem sugerir hehe.

  1. Olá,

    obrigada por compartilhar tanto conhecimento. Estou encantada com os seus textos, suas ideias.
    Hoje li um pouco, voltarei para ler mais.
    Como estão os encontros do Escrita Gourmet? Ainda acontecem? Gostaria muito de participar. Onde fico por dentro da programação?

    Um abraço!

    Fátima

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *