A noite de um fim

A campainha quebrou o silêncio.

Jonas pousou o exemplar em alemão de Humano, demasiado humano no criado-mudo e consultou o relógio: nove e meia. Levantou da poltrona, acendeu a luz da sala e parou em frente à porta para a rua. Respirou fundo, ensaiando mentalmente o que precisaria dizer, e abriu a porta.

Guilherme entrou rápido, a cabeça baixa e os braços cruzados com força. Com a mão na porta ainda aberta, Jonas mirou os olhos inchados de Guilherme, cujos lábios tremiam. Sua voz era quase um miado:

– Não faz isso, Jô… Eu te amo tanto.

Jonas puxou o ar com força e desviou o olhar para a rua, um frio descendo o peito rumo à barriga. De novo aquela conversa.

– Eu já fiz. – Respondeu Jonas, o coração batendo pesado. Ouvia o choro de Guilherme às suas costas. – Só amor não é o suficiente.

Guilherme chorou alto, sua respiração ofegante e ruidosa consumindo o espaço na casa. Com passos certeiros, foi à cozinha.

Jonas suspirou e seguiu Guilherme. Entrou na cozinha e tateou a parede em busca do interruptor. De luz acesa, viu-se a um passo do ex-namorado, cujo olhar continuava carregado de tristeza, mas trazia algo mais.

Seria ciúme?

A faca entrou na barriga de Jonas uma, duas, três vezes. Sem conseguir respirar, Jonas tentou conter com as mãos o sangue que esguichava quente. Tudo o que via estava tingido de vermelho, suas mãos, a camisa, o armário de utensílios. Ouviu a porta da sala bater e passos apressados se afastando rua afora.

E então o silêncio voltou à casa.

7 comentários em “A noite de um fim

    • Obrigado, Ben!
      Foi um exercício para a aula de Construção de Diálogos. Precisava de uma cena de até uma página contendo narração + diálogo e que envolvesse o término de um relacionamento. Foi o que saiu. Hihi.

  1. Narrativa ágil que revelou bastante sobre as personagens e a situação delas em poucas palavras. Geralmente não curto fins trágicos but this is just me. hehe

    Parabéns

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *