Mantenha-se em movimento

Acordei para um domingo preguiçoso, cheio de ressaca e repleto de pizza com o namorado. Um dia de sol, com ventinho gostoso e passarinhos cantando o aniversário de São Paulo, e nós em casa, nenhum convite para nada, apenas a vida passando com um toque de preguiça e uma pitada de “ah, tanto faz”.

Até que resolvemos não ficar em casa (e ainda assim não gastar dinheiro): em minutos, descobrimos concertos gratuitos de música clássica, feiras gastronômicas e toda uma infinidade de vida acontecendo cidade afora.

Isso me ensina uma coisa: para sair da inércia, precisamos iniciar o movimento, especialmente quando nos acostumamos a se mover aos poucos, aproveitando uns convites aqui e outros ali.

Convite, aliás, é uma coisa poderosa. Eu costumava ficar chateado quando não era convidado para nada (ainda fico, confesso), mas é apenas por ciúme. Um convite é uma indicação de que alguém quer compartilhar algo bom. Se ninguém está me convidando para nada, posso ficar amargurado ou posso fazer convites eu mesmo.

 

Hoje optei por fazer convites e estou contente com a sensação de estar vivo. Escreverei mais quando estiver em casa descansando depois de um dia feliz! :)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *