Deixa pra quando eu tiver experiência

Por esses dias pesquei na minha cabeça um pensamento perturbador: “ah, eu posso me dedicar à escrita quando for mais velho, quando eu tiver experiência e souber melhor como criar literatura”.

Li hoje sobre como nosso cérebro cria histórias para justificar nossas ações (algo mostrado no Efeito Benjamin Franklin, link em inglês). Em resumo, há uma dissonância entre quem nós pensamos que somos e como nós agimos. Para corrigir isso, nosso cérebro inventa histórias que preservem uma noção coerente de si. Exemplo: Freud hipnotizava as pessoas, fazia-as agir feito animais, e depois perguntava as razões; como resultado, cada pessoa inventava uma justificativa racional para as coisas que fizeram sob efeito de hipnose, ignorando que haviam sido mentalmente induzidas.

Eu venho escrevendo pouco, talvez por isso tenha-me surgido esse pensamento. Ele é uma defesa de coerência: não estou escrevendo agora porque estou cultivando experiências que, futuramente, se tornarão boas histórias e livros.

Que ilusão eu pensar que terei cabelo quando idoso... Fonte da imagem: https://www.flickr.com/photos/stuckincustoms/6431884163

Que ilusão eu pensar que terei cabelo quando idoso… Fonte da imagem: https://www.flickr.com/photos/stuckincustoms/6431884163

Óbvio que isso é uma bobagem.

Eu não estou escrevendo porque estou usando o meu tempo para outras coisas, só isso. O mesmo vale para qualquer coisa que eu não esteja fazendo.

Deixar para quando eu tiver mais experiência é bobagem, é loucura, é perda de tempo. É um hábito ruim, inclusive. Se não porque estou postergando o ato de criação, então no mínimo porque a gente só ganha experiência fazendo.

Sim, é importante ter bagagem, repertório, viver coisas tresloucadas para que nossa imaginação tenha material para trabalhar. Entretanto, escrever é esse trabalhar, é traduzir em palavras experiências vividas. Essa tradução nunca é perfeita. Aliás, essa tradução é trabalhosa, difícil, muitas vezes dolorosa e, sem o menor pingo de dúvida, não é algo que se aprende apenas vivendo peripécias.

É algo que se aprende fazendo.

2 comentários em “Deixa pra quando eu tiver experiência

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *