Ciúme é medo

Acordei com ciúmes porque sonhei com traição. Não traição, exatamente, porque no sonho eu era meio participante da coisa toda, embora não estivesse em condições físicas de concordar ou discordar de qualquer coisa.

De toda forma, o que importa não é o sonho e sim a maneira que me senti quando acordei dele.

(Aliás, uma amiga me ensinou que é assim que devemos fazer para interpretar os sonhos: considerar o que acordamos pensando em virtude do sonho, mais do que utilizar símbolos e metáforas.)

Eu acordei enciumado porque tenho medo de perder meu namorado. Sobre medo de perder, aliás, o Larusso escreveu lindamente aqui. Ele tem razão: o motivo de não agirmos é medo de perder algo que temos ou julgamos ter. Digo mais: ciúme também é medo de perder.

Medo de perder o quê?

Medo de perder uma relação que cultivamos com outra pessoa, medo de perder o poder que temos sobre o outro, medo de deixar de amar ou de deixarmos de ser amados.

Eu tenho medo de perder meu namorado. Ele pode viajar, pode cansar de estar comigo, pode se apaixonar por outras pessoas e decidir que a vida comigo não faz tanto sentido quanto com elas.

Mas medo – e ciúme – é apego, e apego é ilusão. Nada eu posso fazer sobre os desejos do meu namorado. O que eu posso fazer é celebrar os sete meses em que estamos namorando e os quase dez meses desde que nos conhecemos.

O medo de perder é medo de um futuro.

No presente, o que há são motivos para celebrar. Afinal, o que eu quero e o que eu vivo é uma relação de amor. Quanto ao medo, guardo ele como lembrança de que vivo algo que é importante para mim.

Como bem disse o Larusso no texto que indiquei, um jeito de lidar com o medo é minimizar os riscos. No meu caso, confio e me faço confiável. Esse nem é um privilégio apenas do meu namorado, mas de todas as relações que tenho construído. Quando sonho e imagino situações que me deixam com ciúme, lembro-me do seguinte: meu namorado não é meu, ele está comigo. E ele ser livre para estar comigo ou deixar de estar é pré-requisito para uma relação de amor.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *