Quem merece ser ouvido?

Estou lecionando um curso de escrita criativa com temática queer na representação regional do Ministério da Cultura, que fica no bairro Santa Cecília, no centro de São Paulo. A experiência tem sido riquíssima, com textos e visões de mundo incríveis sendo lidas e ouvidas todas as semanas. Tem bixa, tem lésbica, tem galera questionando expectativas […]

Continue lendo

Curso de escrita criativa com temática queer

Pouca gente sabe, mas quando criei o Ninho de Escritores eu queria juntar um grupo de escritores LGBT. Muito do que o Ninho é já nasceu com ele por conta das necessidades que observei sobre o aprendizado da escrita criativa. É difícil encontrar um curso ou escola que se proponha a ensinar ou colaborar ao […]

Continue lendo

Ursos pesados, de Fabrício Viana (resenha)

Como parte de uma parceria com a Editora Orgástica, recebi exemplares de alguns livros para resenhar. Tudo começou quando, numa tentativa de estabelecer networking, comprei o livro O Armário. De fato, minha tentativa de construir relações funcionou e, semanas depois, recebi em casa os livros Orgias literárias da tribo, Bem-te-vi e Ursos perversos.

Continue lendo

Bem-te-vi, de Marli Porto

Bem-te-vi, livro infanto-juvenil de Marli Porto, conta a história de Daniel, um garoto de treze anos que enfrenta discriminações na família e na escola e busca caminhos para se encontrar nesse processo. Como costuma acontecer em questões relacionadas à sexualidade, o menino localiza um fio de esperança na existência de um rapaz, por quem se […]

Continue lendo

Parceria com a Editora Orgástica

Nesse percurso de escritor lgbt zen, tenho procurado meios de estar perto de pessoas que escrevem e de empresas que publicam a partir de temáticas relacionadas à sexualidade. Um exemplo é a Editora Orgástica, à qual tive a oportunidade de conhecer melhor através do meu tímido e atrapalhado networking.

Continue lendo

O Armário, de Fabrício Viana

Enquanto no colégio, meu acesso a livros era bastante restrito. Os dois colégios em que estudei tinham bons materiais, mas nada que tratasse sobre homossexualidade. Como eu era criança, não sabia nada do mundo e não cruzei com ninguém que me forçasse a aprender na prática, passei um tempo grande sem saber nada.

Continue lendo